Home / Imprensa / Servidores da saúde em MG voltam ao trabalho, mas questionam pagamento

Servidores da saúde em MG voltam ao trabalho, mas questionam pagamento

uaiUma semana após paralisar atendimento nas unidades de saúde de Uberlândia, servidores voltaram ao trabalho nesta quarta-feira (19). Segundo o sindicado que representa a classe, o salário foi depositado conforme o previsto pela Prefeitura.

Contudo, eles alegam que falta uma parte do pagamento, que se refere ao retroativo do acordo sindical. A Administração informou que tal pagamento não foi feito, pois o sindicato não cumpriu um acordo de não haver paralisação (confira a nota na íntegra abaixo).

Na última quarta (13), cerca de 100 pessoas da área paralisaram, sendo funcionários do administrativo, técnicos de enfermagem, enfermeiros e agentes de saúde. O motivo, conforme Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde em Uberlândia. Eles reivindicavam à suspensão de férias, falta de pagamento de cestas básicas, materiais de segurança e para o trabalho, e ausência do depósito do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Segundo o presidente do sindicato, Ronaldo Rosa, os servidores já estão trabalhando normalmente nas UAIs e Unidades Básicas de Saúde da Família (UBSF). Contudo, dois outros problemas serão discutidos em uma assembleia que será realizada na próxima semana.

“Queremos que a Prefeitura não desconte os dias em que os trabalhadores ficaram paralisados. Outro problema é que não recebemos a segunda parcela do pagamento retroativo após o reajuste salarial negociado pelo sindicato”, informou.

Conforme Ronaldo, o reajuste foi em fevereiro e ficou acordado com o Município que o retroativo seria pago em quatro parcelas. Contudo, os servidores que trabalham pela Fundação Saúde de Uberlândia (Fundasus) e Fundação Maçônica não receberam o segundo pagamento neste mês.

“É um direito de todos os trabalhadores e vamos exigir que seja pago conforme acordado com o sindicato”, finalizou.

Por meio de nota, a Prefeitura informou que “em uma negociação com o sindicato, que não teve nenhum documento assinado, houve um acordo que o pagamento do retroativo seria feito em parcelas até o fim do ano. O acordo previa a não paralisação das atividades do setor de Saúde, o que não ocorreu. Por isso, o pagamento da parcela referente a este mês não foi feito. Oficialmente o Município não recebeu do sindicato, nenhum documento informando o fim da paralisação.”

Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *